criei essa página com o objetivo principal de ressaltar o exercício constante de autoconhecimento no aprendedorismo. À medida que vou reconhecendo, construindo ou substituindo tendências em mim, vou fazendo atualizações por aqui.

Temperamento

introvertido. otimista. solitário. ansioso. pensativo. tranquilo. quieto. amigável. automonitorador esporádico. observador. sistemático. lento. procrastinador. perfeccionista. astuto. planejador. pragmático. profundo. sensível. cauteloso. empático. escutador.

a claridade sobre essas tendências é um compilado de auto-observação, percepção de pessoas próximas e testes de personalidade como o Mapa Astral (peixes com ascendente em escorpião e lua em touro, se isso significar algo pra ti) DISC (ID, de novo) e do Myers-Briggs (IFSJ-T: Defensor do tipo Sentinela, idem).

Estilo de Vida

aprendedor. yoguim. minimalista. vegetariano. nômade.

Interesses

tênis de mesa, trekking, música, dança, línguas (sei inglês, espanhol e francês) e a natureza em geral.

Comportamentos, Hábitos, Vícios & Preferências

como um bom introvertido, minha fonte de energia vem da solidão. Isso explica vários dos meus comportamentos:

  • amo o silêncio, a natureza e evito multidões, reuniões sociais em geral (festas, casamentos, aniversários, bares, ruas, etc). me sentia bastante culpado até entender isso, mas hoje estou de buenas. 🙂
  • adoro conversas sobre temas profundos (que nos ajudem a viver melhor) e evito os superficiais (tempo, noticiário, etc). Mas, isso não quer dizer que não de coisas leves e humor. 😉
  • posso ficar mudo escutando ou fazendo perguntas por horas numa interação com alguém que me desperte curiosidade sobre algum tema. Pode até parecer interrogatório, mas é só curiosidade mesmo.
  • quando alguém me pergunta algo sobre o que não refleti, a priori, prefiro ficar em silêncio, dizer ‘boa pergunta‘, ‘interessante, ‘top, ‘legal” a externalizar pensamentos ainda não elaborados. Posso parecer bobo ou passivo nessas situações, mas prefiro pesquisar e voltar a discutir com mais profundidade.
  • quando a conversa toma um rumo que não tem a ver com meus valores, fico em silêncio ou se sentir abertura, peço desculpas e explico meu ponto de vista.
  • para mim, uma das experiências mais sui generis na vida é me expor a um conteúdo que recontextualiza a forma como vejo o mundo.
  • Evito trabalho em grupo de forma síncrona. Funciono melhor dividindo o trabalho e depois fazer individualmente. Trabalho profundo, na minha experiência, exige solidão.
  • pareço uma pessoas ‘não-espontânea’ em algumas interações sociais, porque tenho uma natureza automonitoradora esporádica, isto é, às vezes produzo um comportamento convencionalmente desejado. Algumas pessoas confundem essa tendência como ‘falsidade’, ‘falta de autenticidade’, mas é apenas um traço psicológico de autoconsciência expandida. Na minha opinião, isso não tem necessariamente a ver com ética, cuja definição para mim é não interferir nos direitos dos outros. 

uso o “me desculpa” com frequência. Quando peço desculpas não é necessariamente porque me sinto culpado ou porque estou assumindo um “erro” , mas sim porque valorizo mais o bem-estar e o relacionamento com a pessoa do que estar “certo” ou “errado”.

outra expressão que uso bastante é o ‘tamujuntu’. É simplesmente minha forma de ressaltar que fizemos uma troca ou que estamos numa relação de igual pra igual, numa parceria ganha-ganha. 🙂

evito conflitos em geral com outras pessoas e me considero mente aberta (quem não, né? haha).

em termos de maus hábitos, atualmente estou viciado em comida (como em excesso e não sei brincar com doces) e mídias sociais.

ah, e geralmente não ligo para a tradição de datas festivas (páscoa, réveillon etc).

celebro do meu jeito introvertido e qualquer dia para mim é um dia especial para dar ou receber um presente, mesmo não sendo aniversário ou natal.

Crenças

acredito na humanidade. que somos seres eternos e que não estamos na experiência terrena apenas a passeio, mas também para deixarmos um contribuição a partir daquilo que somos. (inclusive, se souber, adoraria saber de materiais científicos que sustentam essa tese.)

acredito que a curiosidade é a qualidade mais essencial para a felicidade e liberdade.

testar, testar e testar, pois cada contexto apresenta um conjunto único de variáveis, que muitas vezes, não conseguimos perceber.

acredito que a terceira lei de newton, de certa forma, se aplica para a vida em geral. toda ação tem sua reação correspondente com igual intensidade e sentido contrário.

o que faço que contribui para o mundo volta pra mim e o que faço que não contribui para o mundo também volta para mim.

acredito que quando pensamos e fazemos o melhor a partir da nossa essência (e não somente do nosso ego) automaticamente estamos fazendo o bem para os outros. não é preciso fazer nenhum esforço adicional para fazer o bem aos outros se fizermos o bem a nós mesmos.

a abelha quando colhe o néctar da flor não está pensando ajudar as flores da Terra, mas apenas em se alimentar, ou seja, está fazendo apenas o que sua natureza pede, que, por consequência, ajuda a vida das plantas.

as plantas não liberam oxigênio para salvar os seres humanos, mas porque fixam o CO2 para o propósito delas de crescimento. Consequentemente, nos ajudam a viver.

quando estamos realizando nosso propósito e respeitamos a nossa essência, a própria natureza se encarrega de fazer com que nossos produtos sejam matéria-prima em abundância para a vida de outros seres.

estamos todos conectados de alguma forma. O meu mal é o mal dos outros, o meu bem, é o bem dos outros. O mal dos outros é o meu mal, o bem dos outros é o meu bem.

por isso, não acredito em comparação e competição quando se trata da natureza humana.  Comparar uma pessoa com outra, é o mesmo que comparar ‘banana com maçã’, pois cada ser é único e tem uma jornada única em que o “propósito” é ‘aproveitar seu caminho’ e não, ‘chegar em primeiro’.

o que funciona para mim não necessariamente funciona para os outros e o que funciona para os outros não necessariamente funciona para mim.

Propósito

vivenciar minha prática de aprendedorismo e inspirar/ajudar pessoas a fazerem o mesmo como consequência.

Valores

esses valores já mudaram até aqui e devem continuar mudando…

Aprendedorismo

busco por melhoria contínua na vida como um todo.

Liberdade

busco tomar atitudes sendo verdadeiro com minhas necessidades & vontades e cada vez menos por culpa, convenções sociais (moral) ou por querer agradar o ego alheio.

a máxima que aprendi na vida e que o Poder do Agora conseguiu sintetizar:

“ ou faça com boa vontade ou não faça”

tem funcionado bastante na minha experiência de vida.

da mesma forma, respeitar o direito das pessoas de fazerem o mesmo.

Espiritualidade & Empatia

busco agir conforme a premissa de que todos os seres vivos e não vivos de alguma forma estão conectados, logo faz sentido querer o bem alheio e estar em paz.

Gratidão & Compartilhamento

busco sentir gratidão, de alguma forma, por tudo que se sucede na vida e compreender como aquilo contribui para a minha jornada de expansão de consciência.

em seguida, compartilhar esse aprendizado para, quem sabe, ajudar as pessoas ao meu redor em seus processos também.

Honestidade & Transparência

busco reconhecer meus erros, ser honesto com o que estou sendo e sentindo no momento e deixar isso transparente para as pessoas.

busco alinhar expectativas do que as pessoas podem esperar (ou não) de mim, por mais que isso possa doer inicialmente, conforme aprendi em 5 lições que aprendi com a minha primeira demissão.

Minimalismo & Simplicidade

busco usar o mínimo possível de recursos para atender minhas vontades e necessidades. possuir apenas coisas que utilizo, do contrário, vender ou doar para alguém para quem a coisa possa ser útil.

Saúde, Positividade & Humor

busco otimizar minha alimentação física, emocional & mental para que meu corpo e alma funcionem em sua melhor forma.

claro, muitas vezes me saboto nessa história, mas a intenção continua hehe.

para finalizar, uma ressalva.

por um lado, considero esse exercício de evidenciar valores bastante delicado, pois não deixa de ser uma forma de generalização.

em outras palavras, essa ação tende a não levar em conta os infinitos possibilidades de cada contexto em que o valor pode se manifestar, a não-binariedade e muitas vezes coisas ‘paradoxais’ da natureza humana.

resumindo, cada caso é um caso.

por outro, considero super válido como ponto de partida das nossas intenções para com o mundo.

por isso, em última instância, vale o bom senso.

E você, qual é o seu perfil? 🙂

se quiser saber mais sobre mim, aqui estão minha história e agora.