em aprendizagem, produtividade

Recentemente, eu abri minha caixa de ferramentas, que super me ajuda no estilo de vida aprendedor. kindle

Essa lista inclui equipamentos, acessórios, aplicativos e serviços que potencializam minha prática do que chamo de apreendedorismo, um estilo de vida voltado para aquisição constante de novas competências através do estudo, aplicação e compartilhamento do conhecimento.

Nessa linha, eu decidi criar uma série de textos bem completos com no mínimo 4 grandes tópicos entrando nos detalhes sobre

  1. o que é [ferramenta]
  2. por que usar [ferramenta]
  3. porque não usar [ferramenta]
  4. como usar [ferramenta]

para cada uma das ferramentas que já testei até então.

Para iniciar, não poderia começar por outra que não o kindle, ferramenta que entra na minha categoria de essenciais, pois mudou completamente minha vida e não sei mais viver sem ele.

Então, continue lendo pois vou dividir contigo os detalhes de mais de 4 anos de relacionamento com o kindle – com vários términos e voltas – para te ajudar na decisão de comprá-lo ou não.

Minha História com o Kindle

A post shared by Mathias Luz (@mathiasluzz) on

Quem me conhece sabe que um dos maiores remorsos que ainda guardo na vida é de ter tomado gosto pela leitura apenas depois dos 15 anos.

Aprender a gostar de ler nessa idade para você pode ser cedo, para outros, tarde, mas o fato é que tenho a sensação de que perdi muito tempo na vida, com que poderia ter lido no mínimo 100 livros a mais na infância/adolescência 😅

Por exemplo, eu não li praticamente nada de literatura brasileira ou mundial, à exceção dos resumos dos livros que caíam no vestibular ou que a professora mandava ler…

Anos mais tarde quando redescobri a leitura, meu problema passou a ser:

Meu Deus, como consigo dar conta dessa lista que “num” acaba nunca?

Quando tive meu primeiro emprego, uma luz começou a surgir.

Isso porque para ir do trabalho pra faculdade, precisava pegar um trem de Novo Hamburgo para Porto Alegre quase todo dia.

Era 1h que eu tava desperdiçando todo dia pensando na vida e chegando a lugar nenhum hehe.

Pensei em pegar “uns livro” físico pra ler, mas não deu preguiça só de pensar que tinha que botar mais um livro na mochila que já tava lotada, sem contar o dicionário pra descobrir novas palavras.

Até que, certo dia, um dos meus colegas na empresa me apresentou esse dispositivo chamado kindle me indicando que super valia a pena.

– Cara, a bateria dura 1 mês em média, os livro é mais barato, os dicionário já vem embutido, dá pra ler de noite com luz que não irrita os olhos.” disse meu brother.

– “Top”. respondi…

E rodando no background da mente veio a pergunta:

-Será que isso me ajuda a parar de jogar tempo fora no metrô?

Não deu outra…

Aceitei a indicação – comprei o kindle paperwhite através do pessoal da empresa que ia pros EUA.  Na época nem tinha Amazon no Brasil.

Lembro até hoje de como a viagem no trem passava tão rápido ao ler meu primeiro ebook no kindle “Trabalhe 4 horas por semana” lá em 2013 e ter ficado encantado com a filosofia do nomadismo digital – algo que rende até outro texto.

De lá para cá, fui aos poucos aumentando meu volume de leitura, que hoje gira em torno de 1-4 livros por mês.

Meu romance com esse kindle paperwhite durou mais ou menos 1 ano e meio.

Nessa época, eu não queria gastar dinheiro comprando ebooks da amazon (#VidaDeEstudante), então gastava tempo googlando livros gratuitos:

  1. Quando dava muita sorte: achava o livro do formato do kindle (.mobi) (o Projeto Gutenberg tem uma biblioteca bem legal)
  2. Quando tava com sorte: achava o livro original em PDF (aqui indico o acervo do Domínio Público)
  3. Meia-sorte: o livro em PDF xerocado (galera da faculdade compartilhando tudo no ebah e no passei direto);
  4. Quando dava azar: aí não achava nada.

Na maioria dos casos, tinha que converter os livros de .pdf para .mobi  pelo aplicativo Calibre.

Mais na frente, fiquei cansado desse rolê porque gastava tempo demais pesquisando e convertendo, mas a qualidade final do livro ainda ficava ruim.

Resultado: abandonei o paperwhite para usar um Ipad que tinha ganhado numa competição.

Quando comecei a trabalhar e ter um salário, deixei de mesquinharia (hehe brincadeira) e passei a comprar os livros direto na loja da Amazon.

Mais especificamente, mudei o mindset e passei a encarar a compra de livros todo mês como se fosse uma mensalidade da escola ou da faculdade.

Ainda sobre o lance, depois dei um pé na bunda do Ipad e passei a ler no celular, porque ele me batia menos hehe.

….o celular doía menos quando caía na minha cara quando tava deitado lendo….

Além disso, conseguia ler mais rápido e dava pra segurar com uma mão só.

Depois, foi a vez de terminar o rolo com o kindle no celular.

Fiquei desconfiado de que a luz do celular (mesmo sendo amarela) tava traindo meu sono, porque tava acordando ansioso e com os olhos ardendo por várias semanas…

Além disso, ele não tirava muito minha concentração da leitura com os linkedin e as redes sociais da vida pipocando na barra de notificações toda hora.

Por último, voltei ao meu primeiro amor!

Fiquei sabendo que o paperwhite tinha uma funcionalidade top de aprendizagem de línguas, então foi amor à quinta vista.

Eu até cheguei a dar um match rapidinho com o kindle regular antes, mas pedi reembolso pra Amazon depois de 3 dias de uso.

Não gostei dele… não gostei do revestimento ser de um plástico duro, a pegada ser escorregaria e não poder usar de noite (não tinha luz própria).

A propósito, minha experiência de devolução e reembolso com eles foi incrível: nenhuma pergunta feita, taxa de correios inclusa e reembolso rápido do cartão de crédito…

Sobre o app do kindle no computador, sempre usei e continuo usando de forma complementar ao leitor digital para fazer pesquisas pontuais e usar referências de livros quando faço algum trabalho – facilita demais da conta.

Explicada minha novela mexicana com a ferramenta, agora vamos às definições.

O que é o kindle?

Kindle comprar

Caixa do Kindle Paperwhite

O Kindle é um produto que pertence à categoria de Leitor Digital ou eReader (Electronic Reader).

Sua pronúncia correta é “kindou” e em inglês significa “acender“. Tipo acender uma vela ou acender a luz da mente com um livro ✨.

Aproveito para dizer também o que o Kindle não é…

O kindle não é um tablet.

  • tá mathias, novidade…

Digo isso porque vejo muitas pessoas comparando leitores digitais com tablets de forma injusta, dado que possuem propostas diferentes.  

A proposta dos eReaders é proporcionar uma experiência de leitura com todas as vantagens que a tecnologia oferece, mas com o máximo de proximidade da leitura de um livro físico.

Em razão disso, esses dispositivos possuem intencionamente características mais rústicas: tela fosca, velocidade baixa, acesso limitado à internet e bateria que dura muito.

Eles não possuem aplicativos como os tablets, não servem para rodar vídeos em geral, entre outras funções básicas que qualquer smartphone ou tablet fazem com as mãos nas costas.

Em suma, não confunda alho com bugalho, combinado? 

(acho que nem minha mãe fala mais isso hehe)

Marcas mais Comuns de E-readers

As marcas mais comuns de leitores digitais no mercado são o Lev da Saraiva, o Kobo (distribuído no Brasil pela Livraria Cultura) e o Kindle da Amazon.

Cada marca possui um linha de leitores de mesmo nome para agradar a diversos gostos e bolsos.

Na dúvida de qual marca escolher?

Essa não é uma decisão muito difícil…

Pelo fato de ser pioneira do segmento e ter popularizado o produto no mundo, a Amazon do Jeff Bezos – o homem mais rico do mundo no momento em que escrevi este texto – segue isolada na ponta proporcionando a melhor experiência de leitura com o kindle.

Mas mathias, você testou o Kobo e o Lev?

– Não, não testei… verdade.. não testei mesmo.. 🤔

Mas, apesar de não ter testado o Kobo, vi nas minhas pesquisas que os diferenciais em relação ao Kindle são:

  1. Ter uma interface mais intuitiva
  2. Ter um aparelho à prova d’água (Kobo Aura)

Sobre o Lev:

  • Talvez o melhor eReader para ler PDF

Se ainda quiser a opinião de quem testou, recomendo este vídeo da super booktuber Tatiana Feltrin:

Uma opinião adicional, é que acho até injusto comparar a Amazon com as outras empresas, porque a gigante possui

  • A maior biblioteca de livros digitais do mundo
  • A maior rede social de leitura do mundo (não se esqueça de me adicionar lá no GoodReads )
  • Um serviço ao cliente desproporcionalmente top
  • Um marketplace monstruoso que engloba desde alfinete até casco de navio nos EUA hehe

Aqui no Brasil ele ainda não está forte como nos EUA, mas especulo que as gigantes do varejo brasileiro terão problemas daqui a pouco.

A propósito, indico uma leitura top para quem gosta de negócios: A Loja de Tudo, que fala da história da empresa.

Uma vez que tá claro que o Kindle é o caminho – a menos que você queira ler debaixo d’água – o próximo passo é avaliar o modelo de kindle que melhor atende a suas expectativas.

Tipos de Kindle

Comprar Kindle

Série Kindle

 

A linha Kindle possui 4 aparelhos:

  1. o Regular: 299 reais
  2. o Paperwhite: 479 reais
  3. o Voyage: 899 reais
  4. o Oasis: 1399 reais

Agora, vou fazer uma comparação bem prática do que muda significativamente indo do primeiro até o último dispositivo:

Kindle Regular

  • Não tem luz noturna e o acabamento é em plástico duro
  • Bom para quem quer primeiro conhecer o kindle sem gastar muito e não lê em ambientes escuros (noite, durante viagens e etc)
  • Bateria dura 1 mês em média
  • Tem nas cores branca e preta.

Kindle Paperwhite

  • É o mais vendido e o de maior custo benefício
  • O principal diferencial em relação ao regular é a luz própria e acabamento em borracha, que torna a pegada bem mais segura e agradável
  • Possui uma versão com 3G grátis para baixar livros em qualquer lugar do mundo sem precisar de wifi (custa 699 pila)

Kindle Voyage

  • Possui um acabamento mais refinado com um preto brilhante 
  • Não precisa tocar na tela para mudar de página – só é pressionar as bordas
  • A luz da tela é regulada automaticamente pela luminosidade do ambiente
  • Só tem na cor preta

Kindle Oasis

  • Bateria dura o dobro dos seus irmãos
  • Vem com capa magnética – que tem bateria embutida, por isso que dura o dobro)
  • O conteúdo da tela gira com o giro de posição –  tipos os celulares e tablets cujas telas giram em posição paisagem e retrato

Especificações passadas, agora vamos ver o outro lado da moeda.

Vou te dar 4 razões para não comprar o kindle…

Por que não comprar o kindle

Kindle paperwhite

Verso Kindle

1. Para ler em PDF

Reforçando, se PDF é o foco, não recomendo o kindle.

Recomendo ler no computador, tablet, celular, a menos que queira lidar com a canseira de ficar fazendo zoom in e zoom out na tela, além de não poder aproveitar os dicionários embutidos do dispositivo.

Talvez você consiga até converter de .pdf para .mobi com uma boa qualidade, mas na minha experiência nenhuma conversão rendeu uma boa experiência de leitura.

2. Para não participar dos Celulósicos Anônimos

A maior resistência que eu tinha era perder aquele momento extremamente prazeroso de cheirar o livrinho novo que chega, aquele cheiro viciante de celulose quentinha, que é único clímax possível de acontecer na introdução de um livro.

Eu até acho que os fabricantes de livros fizeram isso de propósito para a gente nunca parar de comprar livros de papel, já prevendo que no futuro algo podia dar ruim hehehe

Bem, a transição papel>ebook foi difícil e na verdade continua sendo…

…Mas o que me ajuda hoje é que participo do grupo dos Celulósicos Anônimos (CA).

Lá ele nos ensinam uma terapia de recuperação que tá funcionando bem pra mim, que funciona assim:

  • Você continua comprando livros de papel só para cheirar a celulose
  • Com o tempo, você vai diminuindo a dose até precisar comprar apenas os livros de que gostou muito no kindle
  • Quando rola umas recaídas, a gente compartilha com o grupo e ganha força pra voltar


hahaha zueira gente ;).

Meu total respeito ao AA e ao NA que super ajudam nossa sociedade 🙂

Mas que bem a gente podia montar essa comunidade para ajudar os bibliófilos veteranos na transição, né?

3. Para navegar na web

Gente, o kindle tem Wifi, mas ele é muito mais para comprar livros na loja kindle Amazon, do que ficar navegando como se estivesse num smartphone ou computador.

Tanto que o navegador do aparelho se chama ” navegador experimental“!

De vez em quando até acesso meus resumos de livros que faço no blog para ter uma experiência mais agradável de leitura, mas faço isso com a expectativa bem alinhada.

Então, não compre o kindle se for pra navegar rápido.

4. Para tirar onda de intelectual ou deixar a alergia quieta

Se você era daqueles que tinha uma estante bacana no quarto com livros roubados da sua irmã (que era quem realmente lia os livros) só para tirar onda de intelectual quando chegava visita em casa, não compre o kindle.

Quando tinha gente em casa era o único momento em que tirava a poeira dos livros e dava aquele espirro que virava alergia para chamar mais atenção da audiência hehe.

Já com um leitor digital, o teatro acaba total…

Se as pessoas te verem com um kindle, no máximo elas vão achar que tu gosta de tecnologia, mas nunca que tu é um Machado de Assis ou Clarice Lispector da vida haha.

Além disso, infelizmente (ou felizmente) ainda não dá para emprestar ou compartilhar livros aqui na Amazon do Brasil.

Nos EUA, é possível emprestar ebooks por até 14 dias.

Quem empresta o livro não consegue ter acesso ao empréstimo, tipo bem parecido com a realidade, né?

Só que no Kindle o livro sempre volta, mas na vida real, cadê???

Cá pra nois, eu acho que pessoas que não devolvem os livros não deviam existir… sério mesmo… acho um absurdo…

😂

Por que usar o kindle

kindle paperwhite promoção

Kindle paperwhite em tela de descanso

1. Para ler mais

Segundo a Hubpages, quem usa o kindle passa a ler 4 vezes mais do que com livros físicos.

Independente do fator multiplicador, é fato que meu volume de leitura aumentou bastante.

Não porque de uma hora passei a ler mais rápido – na verdade consigo ler mais rápido em livro de papel – mas muito mais porque o kindle é leve e portátil.

Daí dá menos preguiça de carregá-lo pra tudo que é lado e aproveitar melhor o tempo ocioso.

Uma curiosidade legal é que, depois de feedbacks dos usuários, a Amazon inclusive mandou criar uma fonte caligráfica exclusiva (Bookerly) que dá mais gosto ainda pra ler.

“Leia mais,

ler também é um exercício.”

-Rede Globo

2. Para economizar dinheiro

Os livros digitais geralmente são 20-100% mais barato que o físico.

Se você compra livros todo mês assim como eu, vai ver que dá uma diferença boa nas contas.

Inclusive tem ebooks que são de graça.

Claro que não é nenhum lançamento, mas às vezes aquele clássico que ficou lá embaixo na lista infinita.

Só em português, são mais de 50 mil ebooks segundo a Tecmundo.

Além disso, o Kindle possui centenas de dicionários embutidos.

Para quem gosta de línguas, só de não precisar comprar dicionários já compensa pra vida inteira.

Outra forma de economizar é pelo clube de assinatura, o Kindle Unlimited, que te dá acesso a mais de 1 milhão de livros (contando os livros em inglês) a 19,90 reais por mês.

Eu testei o serviço durante 3 meses e sendo sincero para mim não valeu muito a pena, porque os livros que buscava não encontrava lá.

Isso mesmo, não são todos os livros abertos para o clube.

No entanto, se você encontrar os livros que geralmente lê, é um negócio que compensa demais, caso leia pelo menos 1 livro por mês, já que você pode comprar até 10 livros pelo preço de 1 todo santo mês!

Super recomendo fazer o teste, o primeiro mês é de graça.

Não há nada a perder.

Se valer a pena para ti, compartilha comigo nos comentários?

3. Para aprender outras línguas

Se você é fissurado por aprender novas línguas assim como eu, não precisa de mais nenhum motivo para amar o kindle a não ser este aqui.

Conforme já falei no tópico anterior, ele possui centenas de dicionários embutidos a apenas um clique de alcance.

Por exemplo, eu uso o de português, inglês, espanhol e francês.

Agora, imagine o rolê de carregar um livro mais dicionário na mochila… Nunca mais!!!

Outra funcionalidade top que o Kindle possui se chama construtor de vocabulário.

Ele funciona assim:

À medida que você vai olhando as palavras no dicionário do kindle, ele vai automaticamente criando cartões (flashcards) que possuem a palavra na frente e o significado dela no verso.

Daí, quando você acessa a função, ele exibe todas as palavras que você pesquisou em duas telas: aprendendo e aprendidas.

Então, no que você vai memorizando as palavras, você as classifica como aprendidas e elas depois desaparecem da tela principal.

Assim, vai avançado e para aprendendo novas palavras!

4. Para acessar livros em todos os dispositivos

O kindle é um produto multiplataforma.

Isso significa que podes usá-lo nos aplicativos na web, celular (android ou iOS), windows, macOS e nos aparelhos propriamente ditos.

O mais legal é que a tecnologia de sincronização é muito boa.

Se começar a ler no kindle, eu consigo retomar na mesma página no celular ou qualquer outro ambiente.

Interessante, né?

5. Para não esperar os Correios

Se você também faz parte do clube do que querem comprar o livro e ele chegue em menos de 60 segundos (sem brincadeira), então tu é #kindeiro também.

Eu continuo comprando livros físicos pela Amazon e – eu não sei que bruxaria fazem – mas entregam sinistramente rápido.

Aqui em Floripa o máximo que demorou para mim foi 3 dias.

Porém, se estamos falando de livros estrangeiros, aí a Amazon dos EUA demorou uns 30 dias para me entregar – sem contar os impostos da alfândega.

Moral da história: kindle é vida.

6. Para não se preocupar com bateria

A bateria do meu aparelho dura geralmente 1 mês com uso de 1h/dia.  

Imagine você pegar um avião, ele cair num deserto e você sobreviver.

Mesmo se o pessoal do resgate demorar, você só precisa encontrar um local mais ou menos seguro e depois ficar lendo no que espera os bombeiro chegar.

Imagine o tédio que ia passar se a bateria fosse igual de celular?

Essa é a cena que minha mente fértil cria quando penso na maravilha que é a bateria do kindle durar 1 mês.

7. Para provar uma amostra grátis antes de comprar os livros

Se quiser uma amostra grátis com 1-2 capítulos para ajudar a decidir se o livro vale a pena, o kindle permite isso.

Eu particularmente não uso esse benefício, porque prefiro ler ou escutar os resumos muito bem feitos do 12 min para saber se caio para dentro do livro inteiro ou não.

Para títulos em inglês, daí uso o Blinkist.

Preferências de lado, mas o fato é: de graça até injeção na testa né?

8. Para fazer resenhas críticas de forma simples e grifar sem riscar

Depois que li o livro Como Ler Livros (sim, li um livro sobre ler livros hehe), aceitei a proposta de elevar o nível do meu jogo na leitura.

Na prática, eu me desafio a organizar as notas, fazer um resumo ou fazer a resenha de todo livro que ler.

Não vou mentir que isso dá um trabalho retado, mas acredito que no longo prazo valerá a pena.

Bom, o ponto é que eu – muito provalvemente – não teria topado construir esse hábito se não tivesse a praticidade de ter todos os grifados e notas de leitura automaticamente armazenados na nuvem do kindle.

Preguiça nível master só de pensar no processo de reunir as anotações e depois transcrevê-las pro digital se fosse em papel… (minha total admiração e respeito para quem faz)

Nuvem do Kindle

Nuvem do Kindle

 

Outro ponto, é que me dá um aperto no coração riscar os livros.

Não só porque acaba com a estética das páginas, mas também se riscar demais fica com cheiro de grafite ou tinta, daí perde o de celulose hehe.

No kindle tu pode grifar sem medo de riscar.

9. Para ter acesso às novas edições sem precisar pagar de novo

Quantas vezes na escola a professora não deixou a gente usar o livro usado do amigo que era uma série a mais que a gente, porque a edição tinha sido atualizada e os exercícios tinham mudado?

Os pais cantavam de alegria na época de comprar o material escolar hehehe #sqn

Bom, com o kindle não rola mais esse drama.

Se o autor atualizar o livro no futuro e gente tiver comprado uma edição antiga no passado, a gente pode trocar pela nova!

Veja o exemplo da minha conta aí:

Kindle Amazon

Conta do Kindle

O único detalhe é que a gente perde as anotações e grifados com a atualização, mas nada que exportar as notas para outro local, não resolva (eu uso o Onenote para isso).

Interessante né?

Então, o Kindle vale a pena ou não?

kindle paperwhite

Kindle ou Livros de Papel?

Se leu até aqui, já entendesse que a resposta é SIMMMM!

Recomendo qualquer kindle sem medo de ser feliz.

Não conheço ninguém que o testou depois voltou atrás.

É um caminho sem volta, gente.

O mais importante agora é você decidir qual dos 4 se ajusta melhor no seu contexto atual (dinheiro, expectativas como usuário e etc).

Como já falei, a minha preferência é pelo Kindle Paperwhite.

Não só minha, mas da maioria dos leitores e referências que pesquisei para fazer este artigo.

Sobretudo, minha intenção com este texto não é nem decretar morte ao papel, nem esconder melhorias que a Amazon Kindle precisam fazer, mas muito mais mostrar que o papel e o digital não são inimigos.

A gente que é evolutivamente programado para ser apegar às coisas, daí temos uma tendência natural a rejeitar o novo.

E no contexto de leitura não é diferente.

Assim como milhares de leitores, eu continuo comprando os meus livros favoritos em papel ( hehe) e, ao mesmo tempo, abracei as vantagens que só o digital consegue oferecer.

Então, permita-se e teste você mesmo.

Entre livro físico e kindle, por que não unir o melhor dos dois mundos?

Para finalizar, vou compartilhar como encaixo o kindle na minha rotina e assim dar uma noção de como podes testá-lo na sua.

Como usar o kindle

comprar kindle

Grifando no Kindle

Partindo do pressuposto de que

  • Já tás lendo um livro no kindle;
  • Já possui uma conta no Goodreads, Facebook e Twitter;
  • Que possui palavras em “aprendendo” no construtor de vocabulário;

a dinâmica de leitura que sigo durantes as manhã é a seguinte:

  1. Entro no construtor de palavras;
  2. Marco como “aprendidas” as que já tiver memorizado;
  3. Separo 3 palavras por dia da tela de “aprendendo” para memorizar;
  4. Leio o livro durante 1h geralmente (5-10% do livro/dia ou 20-30 páginas/dia)
    1. Grifando passagens que geram algum insight;
    2. Usando o dicionário para as palavras que não conheço;
    3. Fazendo anotações como se estivesse discutindo com o autor ou relacionando com alguma experiência prévia;
    4. Compartilhando no facebook ou twitter quando algo me inspira muito.
  5. Entro no GoodReads pelo celular e atualizo meu avanço de leitura para dividir com a galera.

Daí é só esperar o próximo dia pela manhã para repetir a rotina 🙂

Enfim, espero que o texto tenha contribuído de alguma forma para sua prática aprendedora!

E se quiser comprar algum dos aparelhos, é só clicar na imagem do seu preferido!

kindle

Kindle Regular

Kindle paperwhite

Kindle paperwhite

Kindle Oasis

Kindle Oasis

Kindle Voyage

Kindle Voyage

E você, o que acha do kindle?

Kindle Paperwhite

Kindle na função construtor de vocabulário

 Acha que vale a pena também ou não? Como é sua prática de leitura geralmente?

Tem algum ponto que deixei de mencionar que acha importante na tomada de decisão?

Eu adoraria aprender contigo também, comente abaixo!

até mais e tamujuntu 😌✌🏾